Jornal de Juatuba, Mateus Leme e Região

Sabado, 20 de Julho de 2024
Nosso Instagram
Nosso Instagram

Minas Gerais

Após dengue grave, ex-paciente retorna ao Hospital Eduardo de Menezes para agradecer equipe

Viviane Miranda ficou cinco dias na UTI e chegou a apresentar exames com taxa de plaquetas zerada

Patricia Santos
Por Patricia Santos
/ 7 acessos
Após dengue grave, ex-paciente retorna ao Hospital Eduardo de Menezes para agradecer equipe
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

O que parecia ser um quadro de dengue com uma evolução dentro do esperado tornou-se um grande susto para a massoterapeuta Viviane Gomes Miranda. 

Após cinco dias com os sintomas clássicos da doença, um sangramento acendeu o sinal de alerta e a fez procurar uma unidade de pronto atendimento. No mesmo dia, já foi encaminhada para o Centro de Terapia Intensiva do Hospital Eduardo de Menezes (HEM), daFundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig). Seu caso era tão grave que, por três vezes, chegou a apresentar um resultado de hemograma preocupante: o número de plaquetas estava em zero.

“Eu poderia ter uma hemorragia grave a qualquer momento. Fui transferida para o CTI do Eduardo de Menezes e lá pediram alguns exames mais específicos. Daí veio o primeiro resultado com a taxa de plaquetas zerada. Fiz a primeira transfusão, subiu um pouco, mas em outro exame, no dia seguinte, já veio zerada novamente. Fiz uma segunda transfusão e, novamente, o mesmo resultado. A equipe do CTI ficou bastante preocupada, recebi toda assistência. Pediram mais exames para verificar se eu tinha outras infecções além da dengue, pois o quadro não estava evoluindo bem. Só na terceira transfusão, as plaquetas começaram a subir”, relata a ex-paciente.

Plaquetas

O gerente do CTI do Hospital Eduardo de Menezes, Aguinaldo Bicalho Ervilha Júnior, explica os riscos.
 
“A plaqueta é um tipo de célula que, entre outras, ajuda na formação dos coágulos. Quando chega a níveis muito baixos, existe uma possibilidade maior de choque hemorrágico.  O caso da Viviane chamou atenção por uma contagem extremamente baixa de plaquetas que, obviamente, a colocava em risco. Felizmente, ela saiu viva, sem nenhuma sequela”, explica.

Publicidade

Leia Também:

O médico ressalta a importância da terapia intensiva na atual epidemia de dengue. 

“Temos observado casos de doentes graves. O paciente que precisa de CTI é porque tem algum acometimento ou iminência de acometimento de um órgão vital. E o mais importante: as arboviroses também afetam mais gravemente quem já tem outros problemas, como cardiopatas, nefropatas, imunossuprimidos. Então, acaba entrando como uma comorbidade ou um gatilho para que  a doença de base seja agravada”, esclarece Aguinaldo.

Viviane nunca havia tido dengue. Após seis dias de internação, sendo cinco deles no CTI, ela recebeu alta e pode reencontrar sua família e amigos. 

Retorno ao hospital

Alguns dias após a alta, a ex-paciente voltou à unidade para agradecer à equipe que cuidou dela nesse momento tão delicado. 

“Poder voltar aqui, de onde pensei que não sairia viva, e reencontrar os profissionais que cuidaram de mim, com muito carinho e dedicação, é algo inexplicável”, diz.

Viviane considera sua recuperação um milagre e, por isso, afirma ver a vida de uma forma diferente, com mais gratidão.  
“Não precisamos de muito para viver. Hoje dou mais valor à simplicidade, pois estar viva já é algo extraordinário. Sou eternamente grata a este hospital”, revela.

Para ela, o acolhimento da equipe do CTI foi essencial na sua recuperação. ”Não foi só um atendimento de excelência, mas muito mais do que isso: recebi amor, carinho, cuidado. Todos estiveram ao meu lado, me apoiando, passando mensagens positivas, de incentivo. E isso foi algo que fez toda a diferença e vai muito além do trabalho deles”.

Referência 

Referência estadual no atendimento às doenças infectocontagiosas, com expertise em crises epidêmicas, como covid-19 e febre amarela, o HEM é a unidade em Belo Horizonte que mais tem recebido pacientes com dengue encaminhados pelo município. 

Foram abertos 20 leitos de enfermaria desde o início do ano. Hoje, a unidade contabiliza 104 leitos clínicos e dez leitos de terapia intensiva, sendo que 50% de sua ocupação total está destinada aos casos de arboviroses (dengue, zika e chikungunya). 

Só em 2024, o hospital já recebeu mais de 740 casos prováveis de dengue - 70 deles internados em UTI.

 

 

FONTE/CRÉDITOS: Agência de Minas Gerais
Comentários:
Patricia Santos

Publicado por:

Patricia Santos

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book

Saiba Mais
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )