Jornal de Juatuba, Mateus Leme e Região

Domingo, 19 de Maio de 2024
Nosso Instagram
Nosso Instagram

Esportes

Tostão lamenta morte de Palhinha: 'Foi meu grande substituto no Cruzeiro'

Tostão e Palhinha jogaram juntos no Cruzeiro de 1968 a 1972

Redação
Por Redação
/ 45 acessos
Tostão lamenta morte de Palhinha: 'Foi meu grande substituto no Cruzeiro'
Palhinha foi substituto de Tostão no ataque do Cruzeiro /
IMPRIMIR
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Ícone do Cruzeiro e maior artilheiro da história do clube, com 245 gols, Tostão lamentou muito nesta segunda-feira (17) a morte de Palhinha, seu sucessor no ataque celeste quando de sua transferência para o Vasco, em 1972.

Tostão e Palhinha jogaram juntos no Cruzeiro de 1968 a 1972. “O Palhinha era uma grande revelação do futebol do Barreiro (bairro de Belo Horizonte). Ele chegou ao Cruzeiro novinho e era um espetáculo de jogador desde o início. Muito rápido, driblador, artilheiro. Lembro que ele botou pressão em mim para ser titular”, recordou Tostão em entrevista à imprensa.

Na visão de Tostão, sua ida para o Vasco, em 1972, dois anos após o título da Copa do Mundo com a Seleção Brasileira, abriu as portas de vez para Palhinha no Cruzeiro e no futebol brasileiro.

“Com a minha saída, ele se tornou titular e deslanchou de vez. Acho que a minha saída ajudou, pois o Cruzeiro já queria dar mais espaço para ele. Ele era muito talentoso, tinha velocidade, sabia driblar e fazia muitos gols. Palhinha foi meu grande substituto no Cruzeiro naquela troca de gerações”, disse Tostão.

Palhinha também chamava atenção, segundo Tostão, por sua alegria nos treinos. “Ainda rapazinho, ele levava alegria aos treinos. Era muito brincalhão, gostava de rir, contar piadas. Era um jogador que estava sempre sorrindo. Lembro que ele era de uma família tradicional no Barreiro, tinha boa condição e cheguei a conhecer alguns parentes dele. Lamento muito a morte dele ainda novo, aos 73 anos”.

Pelo Cruzeiro, Palhinha marcou 156 gols em 457 jogos, o que faz dele o 7º maior artilheiro do clube celeste. Ao longo de duas passagens, o ex-atacante conquistou o título da Copa Libertadores (1976) e sete troféus do Campeonato Mineiro (1968, 1969, 1972, 1973, 1974, 1975 e 1984).

Na Libertadores de 1976, inclusive, Palhinha marcou 13 gols em 10 partidas disputadas na competição continental, tornando-se o artilheiro do torneio.

FONTE/CRÉDITOS: Itatiaia
Comentários:
Redação

Publicado por:

Redação

Saiba Mais
Anuncie Aqui
Anuncie Aqui

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )